icon-ham

Fitch defende mais diversificação de Macau

epa01675488 A photo dated 24 March 2009 shows pedestrians pass in front of the Grand Lisboa hotel and casino in Macau, China. SJM Holdings said net profit fell 48.1 per cent last year and 77.6 per cent in the second half as a slowdown in Macau's casino industry prompted the firm to scrap a HKD12 billion plan to redevelop the 39-year-old Lisboa casino hotel.  EPA/PAUL HILTON

O analista da Fitch responsável pelo acompanhamento de Macau considera que a diversificação da economia só poderá acontecer de forma realista e eficaz se estiver relacionada com atividades de turismo.

"Macau é, por natureza, um centro de turismo, por isso pensar que pode diversificar a sua economia para alguma coisa não relacionada com o turismo é demasiado ambicioso e pode até nem ser uma coisa realista", disse Andrew Fennell.

Em entrevista à Lusa nos escritórios da Fitch Ratings, em Hong Kong, Fennell explicou que "os planos do Governo passam por diversificar a economia dentro das condições existentes, é a Meca do jogo, o maior centro de jogo do mundo, atraem muitos turistas, e os esforços que têm feito é para ficarem mais tempo, fazerem mais do que apenas jogar, são atividades relacionadas".

Os casinos, acrescentou, partilham a mesma visão, "e como parte deste esforço dedicam mais espaço a áreas não relacionadas com o jogo, por isso estamos a ver progressos, mas a realidade é que 50% do PIB resulta do jogo, e o turismo é realmente a única aposta possível".

A tendência de redução da componente dos grandes jogadores para um aumento da proporção de receitas provenientes dos jogadores com apostas mais baixas "é um dos pontos em que se pode dizer que a diversificação está a acontecer", disse o analista, lembrando que "há dez anos o panorama era predominantemente dominados pelos jogadores VIP, mas agora há mais jogadores em massa, e o fluxo destes turistas tem sido muito forte, e isso faz parte da vontade de apostar mais no mercado de massas".

A importância de diversificar a economia é, ainda assim, desvalorizada por Andrew Fennell, que lembra o 'rating' muito positivo de Macau, no nível AA: "Macau tem um 'rating' muito alto, e o facto de não ter uma economia diversificada não impediu que aumentássemos o 'rating' há um ano e meio; uma das coisas que pode fazer subir ainda mais a nossa opinião sobre a qualidade do crédito é diversificar, é um esforço que tem vindo a ser feito já há muito tempo, mas é muito difícil, tem havido passos incrementais, mas diversificar a economia é um processo difícil e muito longo".

A nível económico, Macau "tem um excedente orçamental e é uma das economias mais fortes entre as 118 que a Fitch analisa a nível global", salienta o analista, sublinhando que este território "não tem dívida, o que é sempre um fator determinante para os ratings, e continua a acumular reservas para os cofres governamentais, com saldos orçamentais muito fortes".

Questionado sobre o impacto que as tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos da América podem ter na indústria do jogo de Macau, Fennell admite que, "do ponto de vista geopolítico a questão é muito interessante", mas acrescenta que o impacto, a haver, é apenas indireto.

"Pode-se pensar em cenários com um impacto direto na atividade dos casinos, por serem norte-americanos e Macau ser parte da China, pode-se até pensar em cenários devastadores para a indústria, mas para nós o cenário é mais benigno, porque se a guerra comercial tiver impacto para a China será no abrandamento do crescimento económico, o que pode afetar muitas pessoas que pensavam ir de férias para Macau e já não vão, por isso, a haver impacto, será indireto na receita do jogo em Macau", explica o analista.

Sobre o prolongamento das licenças de jogo a alguns operadores e a harmonização do fim dos contratos para 2022, Andrew Fennell diz que foi uma boa decisão do Governo, porque acabou com a "incerteza que havia há seis meses sobre o fim das concessões".

A decisão do Governo, concluiu, "faz sentido no contexto em que assim os decisores políticos conseguem negociar com todos ao mesmo tempo em vez de ser separadamente e em momentos diferentes".

Miguel Mâncio e Mário Baptista