icon-ham

Líder cessante de Macau diz que apoio da China vai aprofundar cooperação regional

O Chefe do executivo, Fernando Chui Sai On discursou  esta manhã na cerimónia da celebraçãodo 15º aniversário do retorno de Macau à Republica Popular da China e à tomada de posse do quarto Governo da RAEM, que teve lugar na Nave Desportiva dos Jogos da Ásia Oriental. 20 de Dezembro de 2014, Macau. CARMO CORREIA/LUSA

 

O ainda chefe do Executivo de Macau afirma que o apoio da China vai "demonstrar o empenho para aprofundar a cooperação regional e integrar" o território "na conjuntura do desenvolvimento nacional".

Fernando Chui Sai On, cujo segundo mandato de cinco anos na chefia do Governo termina no próximo dia 20, falava na cerimónia comemorativa do 20.º aniversário do estacionamento da guarnição do Exército de Libertação Popular (ELP) em Macau.

"O forte apoio concedido pela pátria, irá simultaneamente reforçar a capacidade geral, como também demonstrar o empenho para aprofundar a cooperação regional e integrar Macau na conjuntura do desenvolvimento nacional", afirmou, citado num comunicado oficial.

A Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) vai "entrar numa nova fase de desenvolvimento, em que o Governo continuará a envidar todos os esforços para impulsionar a implementação do princípio 'um país, dois sistemas'", disse.

E acrescentou que "o espírito de responsabilidade e inovação deve servir a pátria e a Macau, reforçando o contributo à salvaguarda da soberania, segurança e interesse do desenvolvimento nacional, bem como à prosperidade e estabilidade da RAEM a longo prazo".

"Desde o regresso de Macau à pátria, há 20 anos, o ELP em Macau tem implementado inabalavelmente o princípio 'um país, dois sistemas', 'Macau governado pelas suas gentes', com alto grau de autonomia, e cumprido rigorosamente a Lei Básica de Macau e a Lei do Estacionamento de Tropas, o que demonstra plenamente a soberania nacional e a sua capacidade de defesa", disse.

Chui Sai On indicou ainda que "devido ao forte apoio do Governo Central e à proteção da guarnição, a cidade manteve um desenvolvimento económico estável, um aumento contínuo da qualidade de vida da população" e registou "um aperfeiçoamento do planeamento urbano" que gerou "harmonia e estabilidade económico-social".

As tropas chinesas entraram em Macau em 20 de dezembro de 1999, dia da transferência de administração do território de Portugal para a China.

 

Elsa Jacinto