icon-ham

Indústria do jogo é fruto proibido por Pequim no Éden tropical da China

epa03710351 Gaming chips and playing cards are seen at the 'Global Gaming Expo (G2E) Asia 2013', in Macau, China, 21 May 2013. G2E is a trade show that focuses on casino-related issues and the expanding gaming industry in Asia.  EPA/ALEX HOFFORD

 

Situado no sul da China, Hainan ambiciona ser o centro de entretenimento do país, com resorts luxuosos, praias de areia branca e marisqueiras à beira-mar, enquanto cobiça o fruto proibido por Pequim: abertura de casinos.

"A nível económico, há muitos sítios na China melhores", admite Han Zhongfei, taxista natural do nordeste chinês e radicado há três anos em Sanya, principal destino balnear de Hainan.

"Mas a vida aqui é mais saudável", diz, e acrescenta: "Há muita gente que vem a Hainan para recuperar a saúde e fica por cá".

Beneficiando da localização insular, clima tropical, baixa densidade populacional e natureza quase intacta, num país industrializado e com metrópoles densamente povoadas, Hainan popularizou-se pelo turismo de saúde e bem-estar.

Contudo, com um produto interno bruto ‘per capita’ de 7.688 dólares - abaixo da média nacional de 9.794 dólares -, a ilha ficou aquém do sucesso de outras regiões com o estatuto de Zona Económica Especial, como Guangdong ou Fujian.

Para a elite empresarial de Hainan, os casinos seriam o atalho para finalmente impulsionar a economia local, assimilando o modelo económico da região semiautónoma de Macau, administrada por Portugal até 1999 e o único sítio na China onde o jogo de azar é legal.

"Devido à localização insular, Hainan pode ser pioneiro a testar qualquer indústria", defende à agência Lusa Sun Keyu, vice-diretor geral do Hainan Resort Software Community, ‘hub' tecnológico situado na capital da província, Haikou.

"Propomos que empresas e indústrias de Macau sejam realocadas para Hainan. Os dois territórios poderiam compartilhar as receitas fiscais", nota Sun, referindo-se à abertura de casinos.

"Teríamos que regular a indústria, mas não existem razões para a interditarmos", diz. "Penso que o Governo central mantém a mente aberta".

A aspiração dos empresários terá sido alimentada por um caso ambíguo envolvendo o Sanya Bay Mangrove Resort.

Em 2013, o hotel passou a disponibilizar jogos de bacará, num esquema que parecia contornar a proibição do jogo: os clientes compravam fichas e trocavam os ganhos por serviços no hotel, produtos como iPads e joias, ou obras de arte, mas não podiam converter diretamente em dinheiro.

A operação foi encerrada, em 2014, quando promotores locais acusaram o ‘resort’ de infringir a lei chinesa, que condena até três anos de prisão quem gere uma casa de jogo.

Mas, no ano passado, um tribunal de Hainan decidiu que o esquema não violou a lei e libertou os funcionários envolvidos.

O desfecho levou a agência noticiosa Bloomberg a avançar que pelo menos cinco ‘resorts’ estavam a preparar operações do mesmo género com o aval das autoridades.

Volvido um ano, contudo, a Lusa testemunhou que as mesas de bacará não voltaram ao Mangrove Resort - nem foram dispostas em nenhum outro hotel da ilha.

A própria gestão do ‘resort’ é enfática: "O jogo [de azar] é proibido na China, especialmente na província de Hainan", diz o relações públicas, Gerry Li.

"Ouvimos dizer que podia haver mudanças, mas até hoje isso nunca aconteceu", acrescenta.

Jia Kang, antigo diretor da Academia Chinesa de Ciências Fiscais, um influente ‘think-tank' próximo do Governo central, nega também que, num futuro próximo, casinos possam ser abertos em Hainan, ou em outra parte da China comunista.

"A abertura de casinos é estritamente proibida", esclarece o académico à Lusa, apesar de reconhecer que a legalização do jogo de azar traria vantagens para o país, permitindo arrecadar receitas fiscais e desenvolver o turismo doméstico.

Dezenas de milhares de milhões de dólares saem todos os anos do continente chinês em perdas em casinos no exterior. Só Macau registou um aumento de 14% das receitas do jogo, em 2018, para 302,846 mil milhões de patacas (32,796 mil milhões de euros).

A proibição fomenta ainda a abertura de casinos ilegais, alimentando a corrupção e o crime organizado.

"Sofremos de todos os problemas associados ao jogo, mas não beneficiamos em nada", admite Jia.

O académico lembra que persistem barreira ideológicas à legalização, já que o Partido Comunista Chinês considera o jogo um "demónio social", ao nível da prostituição e da droga.

"Não existe sequer vontade em falar nisso", nota.

João Pimenta