icon-ham

Assalto obrigada a reforço dos casinos

epa01583897 (FILES) A file photo dated 23 August 2007, shows a croupier counting chips on a black jack table at the Venetian casino, Macau, China.  A news report said on 23 December 2008, that five hundred employees at Asia's biggest casino resort, the Venetian Macao, have been laid off as the global slump hits betting revenues, . Other casino workers at the glitzy multi-billion-dollar complex which opened in August last year, have reportedly been asked to cut their working week from 48 hours to 40 hours from January. The redundancies come as casinos in the southern Chinese resort struggle to cope with the economic slump and new restrictions on gamblers from China travelling to Macau. One hundred managers as well as workers at all levels are among the redundancies at the Venetian Macao, owned by the US casino operator Las Vegas Sands, according to the South China Morning Post.  EPA/PAUL HILTON

As autoridades de Macau apelaram às operadoras de jogo que reforcem as medidas de segurança nos casinos, numa altura em que a Polícia Judiciária (PJ) está a investigar o roubo de fichas num valor superior a 340 mil euros.

No final de maio, a PJ anunciou, em conferência de imprensa, estar a investigar o roubo de fichas no valor de 3,1 milhões de dólares de Hong Kong (cerca de 342 mil euros), numa sala do casino do hotel Four Seasons destinada a grandes apostas.

Pelo menos um segurança e um 'croupier' foram atacados com gás pimenta. Os dois suspeitos, que utilizaram máscaras para não serem identificados, conseguiram fugir de táxi.

Na sequência do caso, a Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ) e a PJ convocaram uma reunião de emergência com as três concessionárias e as três subconcessionárias, durante a qual apelaram às operadoras que reforcem as medidas de segurança.

Entre outras recomendações, as operadores devem esforçar-se "na consolidação dos conhecimento dos seus trabalhadores e dirigentes, em matéria de gestão de riscos e de segurança" para "dar melhor resposta em situações de emergência", lê-se num comunicado.

No primeiro trimestre do ano, a criminalidade desceu 5,2% em Macau, mas os crimes violentos e os delitos relacionados com o jogo aumentaram. Até março, as autoridades registaram 82 sequestros.

Os números foram avançados este mês pelo secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, que ainda assim assegurou que o "aumento de casos de criminalidade grave e violenta" não foi suscetível de "influenciar a estabilidade de Macau"

Na mesma ocasião, Wong Sio Chak defendeu que o "desenvolvimento do setor do jogo não trouxe, até agora, consequências negativas para a segurança" do território.

O assalto ocorreu às 05:22 de sexta-feira (22:22 de quinta-feira em Lisboa) quando “dois indivíduos usaram um gás pimenta e pulverizaram o segurança e depois entraram dentro do casino e roubaram 31 fichas no valor de 100 mil dólares de Hong Kong cada, numa mesa de jogo”, disse o porta-voz da PJ Chan Wun Man, na conferência de imprensa.

Os dois suspeitos utilizaram máscaras para esconderem os rostos e não serem identificados, explicou.

“O casino registou um prejuízo de 3,1 milhões de dólares de Hong Kong”, apontou o responsável da PJ, acrescentando que os suspeitos também “atacaram um ‘croupier’ com gás pimenta e depois fugiram” de táxi.

“Os seguranças tentaram perseguir os suspeitos, mas não conseguiram”, referiu Chan Wun Man, explicando que o assalto demorou cerca de dois minutos e que as autoridades foram avisadas dez minutos mais tarde.

As fichas foram roubadas numa mesa de jogo de Bacará, numa sala do casino destinada a grandes apostas no ‘resort’ integrado localizado no Cotai, faixa de casinos.

Quanto às medidas de segurança a serem adotadas pelos operadores de jogo, Chan Wun Man afirmou que “cada empresa tem as suas políticas e têm a sua equipa de segurança e tomam as medidas de segurança necessárias e a Polícia não vai comentar sobre isso”, mas acrescentou que a Polícia “tem vindo a dar instruções a essas empresas para melhorarem e reforçarem as suas medidas de segurança”.

Francisca Sottomayor